3 de outubro de 2012

Válvulas

Sei que não ando a 100% quando quase adormeço à espera que o semáforo mude para verde.
Sei que não ando sequer a 90% quando até de moto me sinto deixar ir, ser levada embalada para uma outra dimensão que não sei bem qual é, mas sabe bem, é calmante.

Tenho tido medo de colapsar. Nesta minha mania de super-mulher. A verdade é que actualmente me sinto a  baterias de adrenalina. Ter que fazer, fazer tudo, fazer bem, ser a melhor, chegar a todo o lado, em todas as áreas, como um polvo com um braço em cada tarefa e os olhos na próxima.
Apercebo-me, ouço, memorizo. E tento fazer melhor. 
De repente sinto as pernas a ficar fracas e o peito apertado e, como um mecanismo autónomo de defesa, sinto micro-válvulas-de-nitron serem activadas no meu córtex  na minha corrente e arranco em 3ª a fundo com passo acelerado.
Tal como visualizo as garrafas de nitron, visualizo um arquivo de dados, uma agenda e um painel de cortiça para os recados globais no dia-a-dia.

E visualizar isto tudo só me faz pensar ainda mais que se calhar devia dar um descanso ao cérebro. É que nem os sonhos me deixam descansar. Até neles ando movida a válvulas.



4 comentários:

  1. Cuidado.. o corpo emite sinais que não devemos ignorar. tens que descansar, tens que abrandar o ritmo e pensar um pouco em ti..lembra-te disso:)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Tens de te cuidar. Não há nada mais importante que a nossa saúde =)

    ResponderEliminar

Diga, diga, sou toda "ouvidos" !

Ocorreu um erro neste dispositivo

quem cá para...