29 de julho de 2012

Sentimentos

Venho aqui desabafar uma bocadinho. Hoje fiquei triste com uma situação. Sou madrinha de uma menina de 3 aninhos. Uma menina linda e bastante inteligente.
Pois bem, eu não sou propriamente rica, mas sendo madrinha sempre quis mimar e oferecer-lhe coisas. Já fui madrinha de um casamento, sou madrinha desta menina e só não sou de mais um que vem a caminho porque a mãe do bebé disse que "se não for a irmã do marido -com imensa pena dela-pode ter o caldo entornado na família". O que é compreensível. Mas claro que já estou a ver que o papel de madrinha vai ser meu... e olhem que eu não queria mais. Começo a ver demasiada gente a apontar-me para o cargo.

Mas neste caso, fiquei triste porque eu ofereci-lhe imensos livros de contos, livros de desenhar, livros de colorir, canetas, uma data de puzzles, legos, muita roupinha, calçado, perfumes infantis, lápis de cera, de pintar, canetas de feltro, cds de música, quadros, dvd's... Em várias ocasiões que não só "nas datas" de obrigação. Fazendo embrulhos gigantes cheio de papeladas, brilhantes, fitas, muitas caixinhas...  E, tal como me foi incutido a mim, tenho lhe escrito um postal por ano, ou mais, enviado por correio, para mais tarde um dia ler e achar piada...

E hoje o pai dela ofereceu-lhe um tablet para ver os  filmes de bonecos no carro. 
Senti-me um pouco triste. Talvez um misto de falta de posses para lhe comprar uma coisa dessas com "mas que raio de madrinha sou eu". Quando nem acho sensato de se dar a uma criança um tablet. É que nem eu tenho para mim. 
Eu gosto muito deles e talvez hoje esteja numa fase pré TPM e sinto-me mais sensível. 
Mas sim, fiquei triste. Eu não me vejo a ser uma madrinha que um dia ofereça uma PlayStation 3. Eu sou a madrinha que pretendia ensinar a fazer bonecos de plasticina e barro, ajudar a pagar propinas um dia, levar a pequena à praia e aos castelos. 
Não é censurável pois muita gente tem leitores de dvds portáteis no carro. Mas.. 

foi só isto...

6 comentários:

  1. O papel de uma madrinha não é dar prendas caras, é ser uma segunda mãe! Não te sintas triste, Maria. Quem me dera que a minha madrinha tivesse sido só um terço do que tu és para essa menina...

    ResponderEliminar
  2. Oferece-lhe memórias para a vida! Acredita que valem mais do que mil tablets ;) **

    ResponderEliminar
  3. Querida eu também tenho dois afilhados e infelizmente também não posso dar alguns presentes que queria.. mas sempre que posso dou um miminho e eles gostam muito.. o importante não é os presentes caros mas sim estares sempre presente quando podes :)

    e é ridículo uma criança dessa idade ter um tablet..

    kisses**

    ResponderEliminar
  4. Pois bem...Somos parecidas. Penso exactamente da mesma forma!!! Nao fiques triste!!! Tens muito amor no teu coração...o resto....baaaaaahhhh!!!
    Beijoca

    ResponderEliminar
  5. a minha madrinha nunca se preocupou cmg de forma nenhuma! aliás, a única preocupação dela são com "gajos" e se ficarei para tia.

    Acredita que, um dia, a tua afilhada vai conseguir avaliar o que fizeste por ela e tentaste oferecer-lhe! não a tentes comprar com presentes caros... não valerá a pena.

    beijinho

    ResponderEliminar
  6. :(
    Olha os meus também levam pouco porque já estou desempregada há um ano e meio.
    Mas lá está, não concordo com isso das prendas caras e o diabo a quatro. Eu não as tive por parte dos , e mesmo que tivesse dinheiro para tal não as dava.
    Mas o meu afilhado mais novo que tem 2 anos e meio também tem quinhentos mil brinquedos e claro q também lá não falta um tablet.

    ResponderEliminar

Diga, diga, sou toda "ouvidos" !

Ocorreu um erro neste dispositivo

quem cá para...