25 de abril de 2012

Não sejamos ignorantes, sim?

A Maria preocupa-se que façam boa figura caso sejam abordados por jornalistas da tvi ou repórteres da Sábado. Por isso, quando vos perguntarem o que é o 25 de Abril, ou porque é que é feriado, ou porque é que gostam deste dia, não façam figuras de ignorantes, mesmo que não tomem partido desta ideologia política (vá-se lá saber como!). Citado da nossa querida "makedora" de Mestres e Doutores: Wikipédia. Vai com os links e tudo.

Revolução dos Cravos refere-se a um período da história de Portugal resultante de um golpe de Estado militar, ocorrido a 25 de Abril de 1974, que depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e que iniciou um processo que viria a terminar com a implantação de um regime democrático, com a entrada em vigor da nova Constituição a 25 de Abril de 1976.
Este golpe, normalmente conhecido pelos portugueses como 25 de Abril, foi conduzido por um movimento militar, o Movimento das Forças Armadas (MFA), composto por oficiais intermédios da hierarquia militar, na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial e que foram apoiados por oficiais milicianos, estudantes recrutados, muitos deles universitários. Este movimento nasceu por volta de 1973, baseado inicialmente em reivindicações corporativistas como a luta pelo prestígio das forças armadas, acabando por se estender ao regime político em vigor. Sem apoios militares, e com a adesão em massa da população ao golpe de estado, a resistência do regime foi praticamente inexistente, registando-se apenas quatro mortos em Lisboa pelas balas da DGS.
Após o golpe foi criada a Junta de Salvação Nacional, responsável pela nomeação do Presidente da República, pelo programa do Governo Provisório e respectiva orgânica. Assim, a 15 de Maio de 1974 o General António de Spínola foi nomeado Presidente da República. O cargo de primeiro-ministro seria atribuido a Adelino da Palma Carlos.
Seguiu-se um período de grande agitação social, política e militar conhecido como o PREC (Processo Revolucionário Em Curso), marcado por manifestações, ocupações, governos provisórios, nacionalizações e confrontos militares, apenas terminado com o 25 de Novembro de 1975.
Estabilizada a conjuntura política, prosseguiram os trabalhos da Assembleia Constituinte para a nova constituição democrática, que entrou em vigor no dia 25 de Abril de 1976, o mesmo dia das primeiras eleições legislativas da nova República.
Na sequência destes eventos foi instituído em Portugal um feriado nacional no dia 25 de Abril, denominado "Dia da Liberdade".

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá dear! :) já lá fui cuscar mas não encontrei nada (?) fung fung?

      Eliminar
  2. Por acaso a maior parte das pessoas não sabem o que se trata realmente este feriado e isso é triste. E também me incluo a mim. Tenho uma vaga ideia, até porque nunca me interessei pela História de Portugal e nunca tive professores minimamente cativantes :/ Mas hoje já aprendi mais qlqer coisa.

    Beijinhos

    http://igual-a-ti.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. boa.. o pior e q muitos dos ignorantes vai avançar o post em vez de o ler ate ao fim.

    ResponderEliminar
  4. Querida Maria, assim é que é!! Tudo com os pontos nos is!! Gostei!

    ResponderEliminar

Diga, diga, sou toda "ouvidos" !

Ocorreu um erro neste dispositivo

quem cá para...