19 de março de 2012

a S* pergunta, a Maria Responde.

Primeiro a AC encosta-me à parede aqui e agora é a S*... 
As regras são as de sempre:
As regras a respeitar são as seguintes:

a) Escrever 11 factos aleatórios sobre mim;
b) Responder às perguntas que me foram propostas;
c) Fazer 11 perguntas para as próximas pessoas;
d) Escolher as pessoas que irão responder às questões da alínea c.
Dado que já respondi exactamente aqui, vou só responder às perguntas, vale?
Entonces a minha dear S* pergunta:
1. Acreditas em Deus?
Não, não acredito em Deus nem em outras divindades. Acredito que existiram pessoas/homens/mulheres que por alguma razão histórica foram importantes na sua época. Daí a serem designados "santos" naquele mesmo contexto, seja lá o que isso quiser significar. Se calhar foram só boas pessoas. Tanto que se aparecesse um "Jesus" nos tempos actuais seria certamente internado ou alvo de diagnóstico clínico. Se analisarmos as coisas que acontecem é relevante que se agradecem as coisas boas a Deus, mas e as más? Os náufragos resgatados em Peniche agradeceram à Virgem (?)  e a Deus terem sido salvos. (Então e os bombeiros que os acharam?) E as 28 crianças que morreram na Suíça? Pois. Acredito se haja a necessidade de ir buscar forças em algum lado. Mas à luz da Bíblia (que é só um livro escrito por vários homens perto de 30-40 anos depois depois da morte de Cristo), a lei de Deus é mais uma forma de assustar as pessoas e levar a seguir multidões. É uma política. Eu sigo a lei do ajudar quem eu possa ajudar e ser boa pessoa. Isso é mais importante que ir para uma Igreja cheia de estátuas e ouro cantar coisas desactualizadas. Vá já exagerei na resposta! 
2. Preferes uma verdade que magoa ou uma omissão que poupa da dor?
Prefiro uma verdade. Se vier a tempo conseguimos ainda a tempo útil tomar outro rumo na vida.
3. O que serias incapaz de perdoar?
Não sei... Sou uma pessoa que se consegue desligar facilmente de quem me magoa. Posso perdoar tudo. Não quer dizer que o esqueça e volte a dar livre trânsito no meu quotidiano.
4. Preferes palavras ou actos?
Actos.
5. Um amor suave ou uma paixão intensa?
Paixão intensa. Aliás, manter o meu amor numa paixão intensa.
6. Se pudesses mudar algo no mundo, o que seria?
Era tanta coisa... 1º Encontrava o Kony. Depois fazia com que os ordenados dos políticos fosse um ordenado normal globalizado. Fazia com que fossem impossibilitadas acumulações de cargos (quando tanta gente necessita de um apenas). Fazia com  que as reformas fossem algo normalizado e não balúrdios para uns e ninharias para outros. Fazia com que a castração química fosse imposta a violadores, pedófilos e mutiladores. Fazia com que fosse obrigatória a laqueação de trompas a pessoas com tantos filhos em miséria, em prostituição, em ciganagem para ter mais um rendimento de estado. Acabava com tudo o que fosse ensino privado. Não acho justo quem andou a subir médias para entrar num curso e quem possa pagar entre com dez.
7. Consideras a Guerra um meio aceitável para chegar a um fim?
Considero quando se trata de Guerra pela Humanidade e não por petróleo e semelhantes. 
8. Pena de morte: sim ou não?
Não sei o que responder quanto isto para ser sincera. A resposta prévia seria o não, mas... acho que estamos a chegar a um ponto na nossa sociedade (portuguesa), em que mais vale estar dentro da prisão com cama e comida que na miséria e ao frio num banco de jardim. Não me admiro que aí comecem a matar pessoas só para irem presos, propositadamente.
9. Casamento ou união de facto?
Casamento civil.
10. Qualidades que admires nos outros?
Admiro quem trabalhe com gosto e não para picar ponto. Admiro quem se esforça para não ser um peso para os pais. Admiro os jovens que tratam bem os seus avós pois tenho assistido a atitudes impensáveis de netos para com os avós. Admiro quem larga tudo e vai à aventura. E admiro quem não vive o espírito consumista e vive com o suficiente para ser feliz. 
11. O que mais gostas em ti?
Gosto de saber que sou uma pessoa simpática e acessível. Que ponho as pessoas à vontade. Que sou trabalhadora e desenrascada.    ... e a modos que é isto.

Agora vou receber comentários em que feri susceptibilidades. É a vida.
A passagem de testemunho e as minhas perguntas estão aqui! Também lá estavas S*! E assim me despeço...

4 comentários:

  1. Gostei particularmente da primeira resposta. Como dizia o senhor que me inspirou hoje "Cristo não era mau, mas os seus discípulos eram obtusos e vulgares." E quanto ao ensino privado, podem começar pelo curso de Enfermagem. Agradecida ;)

    *

    ResponderEliminar
  2. Não acho que tenhas ferido susceptibilidades... provavelmente, no que toca a rendimentos mínimos e afins, escreveste o que toda a gente pensa e ninguém diz. :)

    ResponderEliminar

Diga, diga, sou toda "ouvidos" !

Ocorreu um erro neste dispositivo

quem cá para...