12 de janeiro de 2012

SentiMeNtos

Porque aqui, às vezes, também se fala a sério.

A Nokas postou este vídeo e eu adorei. Estou na fase certa. Farta da vida monótona (repetitiva) que tenho. E não me "posso queixar". Tenho emprego certo. Sou paga a horas e tenho liberdade de acções. Mas...   estou desgastada desta falta de motivação. Falta de paixão pelas propostas. Exausta de burocracias e clichés. Cansada de não ter casa própria para nós os dois. Tenho emprego e tenho o melhor namorado do mundo. Ás vezes até eu me sinto presunçosa. Enfim. Nunca me contentei com pouco, quero sempre mais e do melhor, mas ao menos é por mérito próprio, por empenho meu. O meu ex-namorado tinha discussões comigo de bradar aos céus. Na altura eu ganhava "bem" face ao panorama nacional (800 euros e ainda nem tinha terminado o curso), tínhamos um T1 mobilado e todo estiloso, com direito a tv por cabo com todos os canais possíveis, com direito a sofá, varanda a sol nascente, carro, gato em casa e emprego a 8km. E ele era somente estudante, mas o que ele pagaria por um quarto dava para pagar a metade do aluguer do apartamento, o resto era o normal ...E, mesmo assim,  eu já queria ir para fora, na altura a panca era de ir para Itália ou para Espanha, nem que fosse trabalhar numa pastelaria, ou pelo menos, ir para outra cidade. Ele passava-se comigo: "Vais trocar o certo pelo incerto!", "Só estás bem onde não estás", ... eram as frases de fecho. E eu dizia que já tinha 25 anos, que já me sentia a deixar passar a fase do poder fazer loucuras dessas, que me estava a sentir "velha", "casada", que não queria aquilo já. Por ele ficávamos ali sempre e, atenção que ficávamos bem. Eu não consegui. Mas também apenas e só mudei de cidade, por circunstâncias da vida.
Hoje, passados quase 3 anos, a minha vontade é ter aquele estilo de vida. E parece que tudo empurra a isso não acontecer. Eu ganho menos, o meu namorado não encontra emprego mas vai trabalhando no que aparece. Moramos juntos em regime "estudante" com mais pessoas, o que me leva a neuras (silenciosas mas depressivas e corrosivas por dentro), quando deixam louça por lavar, quando a wc está um nojo ou quando ninguém dá mimos e cuida do gato. E penso "fodasse, tens mais que idade para ter a tua vida resolvida." E depois vejo casais já com essas regalias, casais que não diferem assim muito de nós ou até por quem quase ninguém dava um centavo e não consigo não ficar triste.
A estagnação e o conformismo em se estar assim deixa-me numa infelicidade que ninguém - nem ele se calhar - imagina. Eu, a Maria sempre a trabalhar a 1000, o emprego, mais trabalhos extra de explicações , mais isto e aquilo... e que quer mais, quer só, e apenas, a estabilidade necessária para se ser um casal. Aqui ou na China. 
Portanto, a viagem está comprada. 
Londres é o destino. Vamos enviar currículos previamente e pedir entrevistas para esses dias. Vamos tentar.   E, depois quem for chamado, vai. Mas o outro vai também e logo se orienta! 
A sério, pior que o conformismo desta vida não pode ser. Quero muito mudar o rumo das coisas. Quero mesmo. Deve ser a única coisa que me empolga neste momento. Uma mudança. Eu nem conseguia dormir se não comprasse a p*** da viagem. Sério...
Londres, deixa-nos ficar, pleaseeee...  (Eu até cozinho bem).
Ah, Obrigado QueenC, pelas dicas. Um beijinho *
E se alguém souber de algo, agradecíamos.

2 comentários:

  1. a isso chama-se coragem e ter muita vontade e força para lutar! parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Nunca páres de querer sempre mais. É isso que nos deixa vivos e que nos distingue dos animais.

    ResponderEliminar

Diga, diga, sou toda "ouvidos" !

Ocorreu um erro neste dispositivo

quem cá para...